quinta-feira, 13 de Junho de 2013

A SIMBOLOGIA DO 666



Apocalipse 13 :18 

“Aqui há sabedoria. Aquele que tem entendimento, calcule o número da besta; porque é o número de um homem, e o seu número é seiscentos e sessenta e seis

O 666 é o número que representa o homem

O Carbono (C) é a base de toda a forma de vida na Terra.
E o carbono 12 representa a forma de carbono mais difundida, em 98,94% de todas as formas de vida incluindo o ser humano.
Portanto o carbono 12 está na base de todas as conexões químicas nos corpos e constitui-se da seguinte forma:

·                     6 electrões
·                     6 protões 
·                     6 neutrões 
=> 666 


O que significa que, 

a MOLÉCULA que está na BASE de TODA A FORMA DE VIDA 
na TERRA tem por número o 666 !   

Como dizia o Fernando Pessa:“E esta, hein?”
http://pt.wikipedia.org/wiki/Carbono-12

quarta-feira, 5 de Junho de 2013

A ditadura alimentar – uma crónica



Saiu  no Jornal de Notícias uma crónica bastante interessante de Daniel Deusdado sobre a ditadura a que a nossa alimentação está sujeita. Passo a transcrever abaixo.


A ditadura chegou ao campo
Sei que é difícil atrair a atenção dos leitores para um assunto como este: “sementes”. Mas das sementes e da liberdade de as plantar depende uma boa parte do nosso futuro porque 75% da biodiversidade agrícola foi extinta no século XX e as coisas não vão ficar por aqui. O esmagador poder financeiro da indústria química quer multiplicar leis, por todo o Mundo, para impedir os agricultores de serem livres de usar as sementes não certificadas nas colheitas seguintes. A espiral é terrível: quanto menor produção agrícola com sementes ancestrais, pior comeremos.
Num filme notável chamado “Food Inc.” (Comida, Lda.) os autores mostram, por exemplo, como a multinacional Monsanto consegue perseguir e levar à falência vários produtores rurais. O argumento é simples: se no campo deste agricultor houver plantas cultivadas com sementes Monsanto e ele não for cliente da empresa, é processado por estar a usar sementes patenteadas, mesmo que elas tenham sido propagadas pelo vento e estejam misturadas com as suas. A natureza passou a ter ‘dono’.
A Monsanto é a mais importante empresa mundial produtora de transgénicos. Atrai os agricultores através de um marketing aliciador de melhores colheitas. Mas os alimentos obtidos a partir de sementes alteradas laboratorialmente, cujo ADN não é compreendido pelos organismos humano ou animal, arrastam interrogações que não compreendemos antecipadamente. Foi assim que se alimentaram herbívoros com rações à base de carne e se rompeu uma lei da natureza. Esta experiência foi um dos motivos apontados para o surto da doença das vacas loucas.
As culturas transgénicas estão já na mesa de pessoas de todo o Mundo. Surgem em coisas tão importantes como a alimentação dos bovinos (por exemplo, na carne importada do Brasil ou da Argentina), na soja, arroz, milho ou em algo tão simples como o mel produzido por abelhas próximas de campos transgénicos. Um relatório da Organização das Nações Unidas para Agricultura e Alimentação (FAO) dizia recentemente que a maioria dos alimentos consumidos no mundo ocidental provém apenas de 12 espécies de plantas e cinco espécies de animais, apesar de terem sido catalogadas milhares de espécies comestíveis. Pior: arroz, trigo e milho constituem 60 por cento da alimentação humana, sendo estes, na sua esmagadora maioria, provenientes de sementes tão apuradas que o nosso corpo já não ‘lê’ estes alimentos como “arroz”, “trigo” ou “milho”. Obviamente nem vale a pena falar da ‘fast-food’ ou da comida industrial.
Cristina Sales, uma médica que o Porto tem a sorte de ter por perto, escreve há vários anos sobre o caos da alimentação moderna e percorre o Mundo como oradora em conferências com este tema. E o que diz? “O nosso corpo tem um histórico de milhões de anos na absorção dos alimentos e está cada vez mais incapaz de reconhecer o que come. Não tem as enzimas necessárias à sua digestão e metabolismo. Por isso gera uma reação inflamatória contra os alimentos porque os considera ‘elementos estranhos’, como se fossem tóxicos. Essa é uma das razões porque tanta gente aumenta de peso ou de volume: porque retém líquidos nesse processo inflamatório. E isso afeta todas as pessoas, incluindo as magras”.
Jude Fanton, da organização “Seed saver (Salvar as Sementes)” disse há meses ao programa Biosfera, da RTP2 (com o qual trabalho) uma coisa simples: “Se nos recordarmos do sabor da comida dos nossos avós – as maçãs, os vegetais, etc. – eles tinham um sabor verdadeiramente forte e intenso. Isso significa mais nutrição. Essa é talvez a razão pela qual estamos a engordar. Temos de comer cada vez mais para conseguir os nutrientes de que precisamos”.
A ditadura agrícola e alimentar é este louco processo de quebrar as regras da natureza em busca de mais rentabilidade. Se fecharmos os olhos à origem dos alimentos, contribuímos gradualmente para uma vida cada vez mais tóxica. Essa perda de ‘liberdade de escolha’ e ‘biodiversidade essencial’ afeta o ADN humano que não deveríamos alienar numa só geração. Além disso, replica o modelo económico que supostamente queremos combater: os lucros ficam com as grandes multinacionais e as doenças em cada um de nós.

segunda-feira, 3 de Junho de 2013

SOBRE O DESEJO DE MUDAR O OUTRO




Como dizem os orientais, você nunca se decepciona com o outro.
A decepção é sempre consigo mesmo, por não saber respeitar as possibilidades do outro.
Você sempre sabe o que esperar do outro.
É uma decisão sua esperar algo que ele não tem para lhe dar.

Portanto, esteja consciente de que a sua mudança vai afectar os outros, mas  não deixe que as reacções dos outros sejam desculpas para você retroceder no seu crescimento.

Você só pode ter certeza de uma companhia na sua vida: Você!
Somente você está presente na sua vida, o tempo todo.
Por isso, é importante que essa convivência seja muito agradável!

Extraído do livro “A caricia essencial”

sexta-feira, 17 de Maio de 2013

DIA 25 DE MAIO MARCHA CONTRA A MONSANTO



10 000 agricultores haitianos queimam sementes OGM da MONSANTO!!!!!
Se eles (que nada têm) podem, nós também podemos!!!!!!

 
MANIFESTAR-SE DIA 25 DE MAIO É UM DEVER CÍVICO!!!!
 
Henry Ford (sim o dos carros!) disse: Quem dominar a alimentação dominará o povo!!!!!
Pense nisso, esta afirmação não é inocente!!!!!tudo isto faz parte de um plano que visa escravizar os povos e a Monsanto faz parte disso.


 O que quer a Monsanto?
Criação de sementes suicidas (Terminator) – morte da semente após a colheita;
Toxicidade ambiental;
Perda da biodiversidade;
Doenças de animais, incluindo da espécie Humana: problemas gastrointestinais, no sistema imunológico, infertilidade, problemas mentais (Alzheimer, Parkinson, depressão, autismo), cancer, obesidade, problemas de pele e cardíacos…

O que fazer?

Consumir produtos biológicos;
Trocar sementes biológicas;
Fazer hortas em casa/comunitárias;
Forçar o governo a limitar cada vez mais as atividades prejudiciais da Monsanto;
Informar sobre as marcas associadas à Monsanto e não consumir produtos dessas marcas.

https://www.facebook.com/MarchAgainstMonstanto
https://pt-br.facebook.com/Stopping.Monsanto
https://www.facebook.com/stopmonsantoportugal

\\

segunda-feira, 6 de Maio de 2013

Embalagens alimentares são práticas mas tóxicas!!!!!!
















As embalagens são cada vez mais utilizadas para conservar e armazenar os produtos alimentares, o problema está na nocividade destas.
Há nomeadamente duas moléculas os ftalatos e o bisfenol A que causam vários problemas.

O ftalato é uma classe de substâncias químicas agregadas a uma série de produtos comuns de consumo. Em 1994, perto de 87% de todo o ftalato produzido nos USA foi utilizado como aditivo, na forma de plastificantes ou como agentes amaciadores de produtos de vinil ou PVC. Plastificantes são materiais viscosos como melado que saturam a matriz tridinensional da resina plástica, como uma esponja rija. Ela torna-se flexível mas com o tempo estes materiais viscosos, os aditivos, gradualmente vão saindo, fazendo a esponja ficar novamente ressequida. Os produtos de consumo de PVC, ou vinil, amaciados podem conter mais de 40% de seu peso em ftalato. A sociedade está largamente exposta aos ftalatos porque o PVC é um plástico amplamente disseminado na fabricação de acessórios domésticos (por exemplo, piso, papel de parede e outros), utensílios médicos (como cateteres, bolsas de sangue e soro), itens infantis (mamadeiras, brinquedos para apertar, colchonetes para troca de fraldas, mordedores) e para embalagens (filme transparente, garrafas descartáveis).

Os ftalatos causam uma larga série de problemas adversos à saúde, incluindo danos ao fígado, aos rins e ao pulmão bem como anormalidades no sistema reprodutivo e o desenvolvimento sexual. Os ftalatos são classificados como “prováveis carcinogênicos humanos”.

O bisfenol-A (BPA), cuja formula é (CH3)2C(C6H4OH)2, é um composto utilizado na fabricação do policarbonato, um tipo de plástico rígido e transparente. É o monômero mais comum entre os policarbonatos empregados em embalagens de alimentos. O BPA é também um dos componentes da resina epóxi (plástico termofixo que endurece quando misturado a um agente catalisador ou “endurecedor”), presente por exemplo no revestimento interno de latas para evitar a ferrugem.
Apesar do plástico ser considerado estável, já se sabe que as ligações químicas entre as moléculas do BPA são instáveis, permitindo que o químico se desprenda do plástico e contamine alimentos ou produtos embalados com policarbonato ou resina epóxi. No caso de aquecimento do plástico, a contaminação por BPA é ainda maior.
ONDE ENCONTRAMOS O BISFENOL-A?
Em grande parte das mamadeiras de plástico;
Em embalagens plásticas para acondicionar alimentos na geladeira, copos infantis, materiais médicos e dentários;
Nos enlatados, como revestimento interno;
Em garrafas reutilizáveis de água (squeeze), garrafões de 5L;
CONSEQUÊNCIAS DO BISFENOL A
O bisfenol-A está presente em produtos no mercado por mais de 120 anos. Estudos demonstram que o BPA não só é um composto omnipresente nos seres humanos (alcançou 93% da voluntários em uma ampla pesquisa americana), mas também uma potente toxina mesmo em doses muito baixas. A maioria das pesquisas que afirma a seguridade do BPA foi patrocinada pela indústria que o produz.
Considerado um interferente endócrino, o químico age como alguns dos hormônios presentes no corpo humano e pode comprometer a saúde. Estudos sugerem que a parte mais afetada é o sistema reprodutivo, sendo fetos e bebês os mais vulneráveis à sua exposição.
Estudos realizados associaram o bisfenol-A a uma maior incidência de obesidade, problemas cardíacos, diabetes, câncer na próstata e mama, puberdade precoce e tardia, abortos, anormalidades no fígado em adultos e também problemas cerebrais e no desenvolvimento hormonal em crianças e recém-nascidos. O químico também foi associado a problemas sexuais em homens como a diminuição da qualidade e da quantidade de esperma


  • Trocar os recipientes de plástico por recipientes de vidro, aço inoxidável ou recipientes de porcelana;
  • Nunca aquecer alimentos em recipientes de plástico no microondas;
  • Não usar copos de plástico para ingerir bebidas alcoólicas;
  • Ler atentamente a embalagem dos alimentos industrializados antes de comprar para verificar a presença de BPA no revestimento, pois muitos alimentos são tratados térmicamente depois de embalados e no caso de alimentos como molho de tomate a sua acidez favorece à transferência de maiores quantidades de BPA do revestimento para o alimento.
  • Verificar a informação no fundo nos recipientes de plástico ao lado do símbolo de reciclagem há um número que se for 3, 6 ou 7 possui maior toxicidade. Outra opção é ligar para o fabricante e pedir informações


O Bisfenol A no plástico pode ser comparado ao amianto que durante muitos anos era um dos componentes do cimento para construção de casas e prédios e que passou a ser proibido quando se verificou os males potenciais que causavam às pessoas que inalassem este componente.

A partir do dia 1 de Janeiro de 2015, o bisfenol A será definitivamente banido dos produtos de embalagem alimentar em França.